Entrevista com a Marcinha – Dicas para quem gosta de Artesanato

Entrevista - Coisinhas de Marcinha

É sempre bom ter contato com pessoas que fazem o que gostam com sucesso e dedicação. Quem se encaixa nesse perfil é a Marcinha, uma artesã de mão cheia, muito talentosa e, acima de tudo, empreendedora. Esse é o espírito dela, ser profissional e tentar sempre aprender coisas novas e melhorar os seus produtos. Diante de tantas qualidades, pensamos logo em fazer uma entrevista com a Marcinha no intuito de pegar dicas para todas que gostam de Artesanato e fazem por gosto ou profissionalmente. Se você se tem o interesse de conhecer o que a Marcinha faz, visite o site www.coisinhasdemarcinha.com, vale a pena!

Entrevista

1) Fale um pouco sobre você e o seu trabalho.
Uma apaixonada pelo que faz sempre. Isso é uma filosofia de vida. Sempre fazer o que verdadeiramente amo. Antes mesmo de estar 100% no artesanato, nas empresas as quais trabalhei sempre foi assim, apaixonada por suas histórias, possibilidades, motivação pessoal. Tenho uma mente inquieta, sede de aprender, melhorar, mudar. E no artesanato isso se faz com total liberdade. É a real liberdade de expressão.

2) Quando você começou a fazer artesanato?
Pulando (detalhes) da fase criança quando aprendi a fazer fuxico com uma tia, e correntinhas de crochê com uma prima.
Veio paralelo à aviação com os tapetes de barbante e as caixas decoupadas. Comecei presenteando e sem pretensão de vendas. No entanto, o trabalho ganhou uma proporção maior em procura. E não pararam mais as encomendas (propaganda boca a boca dos amigos que compravam)

Moldes de Feltro

3) Quais as dicas para quem está começando?
Hoje, com o crescimento e a posição a qual o artesanato ocupa, a primeira dica é focar e se perguntar se realmente gosta e o que mais gosta. Isso porque este não é um meio barato e rápido para lucros, tudo é muito caro, delicado, exige paciência e dedicação.
A internet é uma ótima aliada em termos de pesquisa, compras, mercado, sites especializados. Exemplo: o Assim, Sim! que tem seu foco no Handmade Business, a melhor ajuda atual. O Sebrae com vários cursos sobre empreendedorismo. Depois é ter sua identidade, se faz muito do mesmo atualmente, mas o tempero individual é o que faz a grande diferença.

4) Como você organiza o seu tempo?
Primeiramente colocar todo o material em seu devido lugar (como setores), computador bem próximo e visível para que o atendimento seja o máximo possível um bate pronto. Este centralizado por e-mail e na loja. As redes sociais somente para divulgação. Assim não nos dispersamos e tudo é respondido e atendido. Foco quanto a horários principalmente se o seu ateliê está na sua casa (a grande maioria). De acordo com o fluxo é definido dias de postagens, compras e outros.

5) Quais os tipos de artesanatos mais procurados?
Comecei com o barbante, biscuit e decoupage. Hoje, a paixão, motivação e pedidos se destacam nos produtos em tecido e nos chinelos customizados. Aos poucos fui e sigo mudando e adaptando.

6) Você vende mais pela internet ou pessoalmente?
As vendas são 99% internet, isso foi uma decisão desde que me mudei de SP para PE.Quero um a loja física, e as pessoas que tem conhecido o meu trabalho (da região) pela internet já tem feito essa cobrança, questionamento, procura. Mas assim como foi com o começar a vender, em 2012 vou programar o ateliê para um dia no mês fazer o Dia de Colheita (Bazar). Colheita é o termo que uso para substituir compras. O que será então um termômetro para saber o que mais pode ser trabalhado. E a partir daí quem sabe venha a loja física.

7) Muitas pessoas reclamam que vendem pouco. O que é preciso para vender mais?
A propaganda boca a boca (essa é a melhor). Estar ativo nas redes sociais, perguntar, pedir sugestões. Eu faço isso com os meus clientes. Se penso em um produto novo, envio para o cliente testar, ver, enviar sugestões. Os clientes assíduos do ateliê já estão acostumados a receber em suas colheitas ou e-mail essas minhas ideias ou produtos. Com os lojistas eles que acabam montando o seu perfil e o que atende à sua localidade, porque não adianta falar o mínimo são 10 pares de chinelos, 15 necessaries se para a pessoa o que seria legal são 6 pares de chinelos, 10 necessaires , etc, e a partir daí vem a segunda venda, mais algumas mudanças e temos cada um o caminho pessoal. Interagir, sempre.

8) Onde divulgar os trabalhos para vender mais?
Normalmente onde você vai vender mais o valor da divulgação é alto. Mas uma parceria com um blog, um sorteio, e-mails para atrair visitantes, leitores. As revistas tem e-mails de redação.

9) Deixe uma palavra final para as leitoras da Revista Artesanato
Uma palavra seria Determinação.
Mas…
Ame, pesquise, tente, invista, persista, tenha paciência para os resultados, foco sempre, organização e identifique-se (crie o seu tempero pessoal sua identidade).

Coisinhas de Marcinha

Gostou da entrevista? Então conheça um pouco mais do trabalho da Marcinha visitando o site www.coisinhasdemarcinha.com

Compartilhe onde preferir

Revista Artesanato

Queremos mostrar a você os melhores trabalhos manuais para se fazer, gastando pouco dinheiro e o mais fácil possível para que qualquer pessoa possa fazer.




Comentários

8 comentários

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.


Você pode usar estas tags HTML e atributos:



 



Meu negócio Veja mais >>

JA CONHECE NOSSOS CURSOS?

Mais cursos

Receba ideias gratis por email